Marcas de superação

EXPOSIÇÃO
MARCAS DE SUPERAÇÃO
De 15 a 26 de outubro de 2018
Depoimentos fotográfico de mulheres que superaram o câncer de mama, sob o olhar de Virgínia Mello.

Marcas de Superação retrata a força e a confiança de mulheres que venceram o câncer de mama e que carregam consigo a sabedoria da resiliência e a capacidade de transformação como impulso para a vida.

De acordo com a Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS), o câncer de mama tornou-se o câncer mais comum em mulheres em todo o mundo.

Os números crescem e o que se sabe é que a prevenção e o diagnóstico precoce são ações importantes para o controle da doença, por isso a relevância deste projeto de conscientização do câncer de mama.

O processo de cura pode deixar cicatrizes profundas, registradas na pele e no corpo. Mãos que agradecem. Olhares que vibram. Sorrisos que acolhem. Expressões intensas da vitória da vida sobre as adversidades.

Os ensaios fotográficos revelam a beleza intrínseca de cada mulher e as forças de transformação que carregam consigo, em meio a elementos da natureza que emolduram poeticamente os trabalhos.

Idealização: Virgínia Mello e Marília Costa
Fotógrafa: Virgínia Mello
Produção artística e executiva: Marília Costa
E-mail: mariliacostaesilva@hotmail.com
Contato: (19) 99205-7615
Instagram: @virginiamellofotografia
Facebook: Virginia Mello Fotografia

A Arte Primaveril de Ana Buriozi

EXPOSIÇÃO
ARTE PRIMAVERIL
De 01 a 26 de outubro de 2018
Trabalhos da artista visual Ana Buriozi.

Nascida no distrito de Ibitu, Ana Buriozi veio para Americana aos nove anos, aqui fixou raízes e um sentimento de carinho pela cidade. Aos doze, começou a pintar em guardanapos, e o amor pela arte foi fazendo parte de sua personalidade.

Ana fez algumas aulas de técnica de desenho, mas seu desenvolvimento como artista foi conquistado por ela mesma. Dentre as técnicas adotadas pela artista, o Surrealismo é a principal delas, encontrado em quase todos seus quadros. Além disso, a artista utiliza muitas cores e formas, que fazem com que suas pinturas sejam singulares.

“O mundo está precisando de paz e amor, e tentei retratar isso em minhas pinturas. Porque se as pessoas vivessem a arte, talvez houvesse mais paz e mais amor”, afirma Ana, que produz as obras “com o coração”.

Hoje a artista produz suas obras em telas, mas também em guardanapos e outros suportes; o que importa para ela é pintar com carinho. “Com essa exposição eu quero tocar a sensibilidade das pessoas, e mostrar que qualquer um pode fazer arte. Com materiais simples, nem precisa tanto de técnica. Eu mesma faço minhas pinturas por amor!”, diz Ana.

Com o desejo de espalhar a essência de sua arte para as pessoas, Ana Buriozi também vende alguns de seus quadros.

Texto de Gabriela Cunha

Tel. (19) 3648-5462 / (19) 9.9515.5990
email: anaburiozi@bol.com.br

Facebook: Ana Buriozi

Hiroshima e Nagasaki: um agosto para nunca esquecer

A Biblioteca de Americana tem a honra de acolher a exposição “Hiroshima e Nagasaki: Um agosto para não esquecer!”, desenvolvida pela Associação Paulista de Medicina (APM), representada em nossa cidade pela Associação Médica de Americana (AMA), e ofertada a nossa instituição pelo Rotary Club Americana-Ação.

A exposição é composta por 30 painéis que apresentam imagens e textos sobre a história da destruição de Hiroshima e Nagasaki por bombas atômicas, e as nefastas consequências posteriores. Os painéis estão em inglês, com legendas em anexo, e foram produzidos com imagens históricas, pela própria Prefeitura de Hiroshima.

A missão é expor inegável repúdio a atos que tornam o planeta vulnerável, fazendo um apelo pela Paz, princípio essencial à vida e à convivência.

Os bombardeamentos das cidades ocorreram no final da Segunda Guerra Mundial, realizados pelos Estados Unidos contra o Japão em 6 de agosto (Hiroshima) e 9 de agosto (Nagasaki) de 1945.

Estima-se o total de mortos, entre 140 mil em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki, mas os números se elevam consideravelmente ao serem contabilizadas as mortes posteriores devidas à radiação.

Durante o período de exposição, serão exibidos filmes e documentários sobre o tema.
É possível interagir com a exposição preenchendo um abaixo assinado pela extinção das armas nucleares, escrevendo um cartão pela Paz para fazer parte da exposição e aprendendo a dobrar origamis em memória da “hibakusha” (expressão japonesa para as pessoas afetadas pela explosão) Sadako Sasaki, que teve leucemia devido à radiação, e após compreender que a doença fora causada pela guerra, passou a dobrar origamis de Tsuru (pássaro da paz) em manifestações públicas por sua saúde e pela paz.

Associação Médica de Americana (AMA): https://www.associacaomedicade.org/

Associação Paulista de Medicina (APM): http://associacaopaulistamedicina.org.br/

Rotary Club Americana-Ação: http://www.rotaryclubamericanaacao.com.br/

Reportagem do jornal “O Liberal”: https://liberal.com.br/cultura/americana-recebe-exposicao-que-retrata-tragedia-de-hiroshima-e-nagasaki-850458/

Exposição Traço Bizarro

Sobre a Escola

Em 1996 o já estabelecido escritório de design de produtos Bizarro Design, atuando desde 1989 no mercado de Campinas, decidiu ampliar seu leque de atividades inaugurando a primeira escola de desenho técnico e artístico de Sumaré. A decisão de vir com a escola para o interior deu-se após uma pesquisa que constatou a carência do nível técnico da área do desenho na região de Sumaré, Nova Odessa, Hortolândia, Nova Veneza e até mesmo Americana.

 

Assim surgiu a Escola de Desenho Traço Bizarro, com a filosofia de comportar todos os cursos ligados à área do desenho, tanto técnico como artístico, e procurando dar uma formação prática para a colocação do aluno no mercado de trabalho.

Para tanto foram criados os cursos de:
Desenho Publicitário, Desenho Arquitetônico, Desenho de Móveis, Design Automobilístico, Concept art para Game Design, Desenho Avançado em sistema CAD, Desenho para o Vestibular (para formandos de Arquitetura, Desenho Industrial e Artes Plásticas, entre outros).

Na área artística o aluno tem uma formação bastante completa, passando do Desenho Realista com estudo de objetos, rosto e corpo humano, até avançadas técnicas de finalização em Nanquim, Lápis de Cor, Aquarela, Pastel Seco, e finalmente o curso de Óleo sobre Tela. Há também o curso de História em Quadrinhos e, para o público jovem, a Traço Bizarro ministra os cursos de Desenho Juvenil e Intermediário, que atendem crianças dos 07 anos até adolescentes de 14 anos, com o objetivo de desenvolver não só a aptidão para o desenho, como também ser o suporte para ampliação da capacidade de concentração e observação, tão necessárias na fase escolar.

Sobre a exposição

Exposição de mais de 40 desenhos de alunos e professores da escola de desenho Traço Bizarro (Americana e Sumaré)

Diversos desenhos realistas a mão livre nas técnicas de grafite, lápis de cor, pastel seco, aquarela, técnica mista dos cursos de Realismo, Mangá, História e Quadrinhos, Concept art para Game Design, entre outros.

 

Escola de Desenho Traço Bizarro
www.tracobizarro.com.br
contato@tracobizarro.com.br
(19)3828.4195
Rua Marechal Floriano Peixoto, 197 – Centro, Americana – SP –
CEP: 13465-080
Fone: +55 19 3462-6815

Exposição Primavera de Inverno

EXPOSIÇÃO
PRIMAVERA DE INVERNO
De 04 a 22 de junho
A Arte de Claudete Alves Pereira

Com a palavra, Claudete Alves Pereira

Formada em Letras – Português-Inglês, pela PUCC de Campinas

Sonhava ser professora, mas a vida traçou-me outros caminhos. Fiz carreira como servidora pública municipal, na área de planejamento, por 20 anos.

A pintura entrou em minha vida como preparação para a aposentadoria. Sempre gostei de pintar com lápis de cor e a pintura ampliou esse universo. Com a ajuda da primeira professora, Zaira Gasparine, fiz meus primeiros quadros em 2002, usando óleo em tela e copiando de revistas.

Foi um momento de surpresas, descobertas… Ver uma tela em branco ir se transformando aos poucos em algo empolgante de se ver. A professora tinha muita paciência com a gente.

Num dado momento surgiu a necessidade de criar e não mais copiar. Aí mudei de professor, que passou a ser o Ernandes. Fase difícil, criar não é fácil, é quando a tela vai revelando o seu momento. Nessa fase arriscamos na tinta acrílica, diluível em água que exige rapidez nos traços, pois seca rápido, mas pode ser corrigida com maior facilidade. Usamos um pouco de textura também.

Voltei a trabalhar em 2009 e a pintura ficou esquecida, até hoje. Pretendo retomá-la assim que algum novo desafio me cutucar.

Contato: (19) 99787-1310 / khaluh@gmail.com

Sarau dos Desapaixonados • Ler é Amor

SARAU DOS DESAPAIXONADOS • LER É AMOR
Dia 14, sábado, das 14h às 18h
Uma grande celebração da Arte Independente

✦PROGRAMAÇÃO
14h – 14h45: Maracatu Estação Quilombo
15h – 15h45: Retalho
16h – 16h45: Trago Arte
16h45 – 17h: Manada Grupo de Teatro
17h – 17h45: About a Soul
18h: Encerramento

e muuuito mais… confira na página do evento no Facebook.

Exposição Decodificações

Desapaixonados convida: Decodificações

O Desapaixonados pretende, toda edição, trazer um pouco da cultura que é produzida na região, por meio das mais variadas modalidades e suportes.

A edição que inaugura 2018 tem por tema “Ler é Amor” e, como já é tradição, teremos exposições de trabalhos durante todo o evento, além das atrações musicais, teatrais e, como não poderia deixar de ser, declamações.

Entretanto, teremos um diferencial: em parceria com a Biblioteca Municipal de Americana, traremos uma exposição fixa, que ficará em cartaz durante todo o mês de abril (de 3 a 27/04).

Cinco artistas locais – Amanda Paschoal, Isadora Fernandes, Laila Tonam, Matheus Souza e Miguel Rodrigues – apresentarão suas releituras muito particulares do cotidiano, dos limites entre a realidade e a ficção, entre o ceticismo e o lirismo; onde a palavra aparece aqui e ali, ora subentendida, ora em evidência, e onde a figura humana é mero coadjuvante de um contexto que lhe engloba, lhe perpassa, e lhe sobrevive.

Em suas decodificações plásticas, lemos um mundo em que o natural e o midiático também criam realidades alternativas, e onde a interpretação, mesmo que manipulada, constitui o lugar privilegiado no qual podemos nos reconhecer e admitir, mas também sonhar e projetar novos significantes.

O Desapaixonados convida você a embarcar nessa viagem, onde imagem e mensagem são ao mesmo tempo únicas e universais – onde cabem cada um, e todos nós.

Amanda Paschoal

 

Isadora Fernandes

 

Laila Tonam

 

Matheus Souza

 

Miguel Rodrigues